Um token não fungível (NFT) é um tipo de token criptográfico que representa algo único.

Em outras palavras, não pode ser trocado, segundo sua especificação individual, da mesma forma que criptoativos como Monero são trocados. NFTs podem ser usados para criar escassez digital verificável.

São principalmente úteis em aplicações que requerem itens exclusivos e digitais, como arte digital, cards colecionáveis e itens internos de jogos.

NFTs não são novos. O lançamento do primeiro NFT foi em 2012, com a apresentação de Coloured Coins, ou Bitcoin 2.x, criado na rede Bitcoin, mas o exemplo mais comum de um NFT é o padrão ERC-721 que opera na rede Ethereum.

Um NFT não é igual ao outro, tanto no valor como nas propriedades do próprio token. Cada token possui um hash digital — função que converte letras e números em uma frase criptográfica — que se distingue de todos os outros tokens de seu tipo.

Essa característica permite que NFTs atuem como uma prova de origem. Existe cada vez mais reconhecimento de que existe valor em provar a propriedade e autenticidade de propriedades intelectuais, como obras de arte e tokens dentro de jogos.

No mundo dos jogos e cards colecionáveis, NFTs também são chamados de “colecionáveis digitais” (“digital collectibles”).

Case de estudo para NFTs

Rarible (RARI): colecionáveis digitais gerados por usuários e marketplace
Rarible permite que usuários criem, de forma fácil, um colecionável digital (sem precisar saber sobre programação) e o vendam em seu mercado.

RARI reúne algumas das tendências DeFi mais interessantes de 2020, em que colecionáveis digitais estão sendo combinados com “yield farming” e “liquidity mining” — em que usuários ganham o token de governança RARI por usarem a plataforma. Desde julho, o preço do token RARI disparou 1.700%.

Com foco em artes geradas por usuários, RARI permite a propriedade intelectual por meio da criação de novas artes com uma prova de origem fornecida pelo NFT. Também facilita a venda e os termos da venda em seu mercado e com custo próximo a zero.

Desde seu lançamento em novembro de 2019, 36.336 obras foram criadas na Rarible, com 26.574 vendas e um total de US$ 9,63 milhões foram transacionados.

No início de setembro, Rarible anunciou que levantou uma quantia não divulgada em uma rodada de financiamento “pré-seed” (para financiar suas primeiras operações) liderada pelo CoinFund.

Afirmaram que esse investimento ajudaria a desenvolver um mercado de NFTs governado pela comunidade e baseado em blockchain, bem como o token de governança RARI.

Esse token é melhor descrito como uma recompensa para genuínos compradores e vendedores que usam a plataforma: 75 mil RARI são distribuídos toda segunda-feira (desde 20 de julho de 2020) entre participantes ativos do mercado.

RARI foi criado para permitir que os criadores e colecionadores mais ativos da Rarible votem em atualizações da plataforma, recursos de solicitação e conteúdo curado e moderado.

Rarible é um mercado governado pela comunidade, que visa se tornar uma organização autônoma descentralizada (DAO). O token RARI é o primeiro passo nessa direção.

Via: MoneyTimes

9 Shares:
Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode gostar também: